.fantasmas


A cada dia, mais me convenço do quão tolo sou. Prendendo-me a velhos conceitos e preceitos. Seja por medo de perder ou pela ansiedade da vitória. Apenas quando nos damos conta de nossa mortalidade, voltamos atrás. Pessoas gostam de falar sobre pessoas. Por muito menos viveríamos todos em paz! Sem desilusões perturbadoras. Mas, aqueles velhos fantasmas sempre vêm nos importunar, de repente uma fisgada de dor, e, estamos condenados ao rancor.

Somos programados biologicamente para amar alguns, não todos. Você notou como é engraçado o fato de passarmos a vida inteira traçando metas e objetivos?! Estes, podem ser benéficos na vida profissional, mas não funcionam na vida pessoal. Algumas coisas são feitas porque precisamos fazê-las, não é?

Afinal, sonhos solitários são melancólicos, porque a alma deseja compartilhar o que lhe faz arder o coração de vontade de realizar. Entretanto, o próprio sentimento de solidão já é um passo na direção de superar essa condição. Tudo depende da capacidade de aprendermos com nossos próprios erros. E leva tempo.

Às vezes dura um dia. Às vezes dura pra sempre. Nossas mãos vazias modelando a fantasia. Diariamente excedemos nossas expectativas.

Qual é a razão pela qual nós guardamos coisas desnecessárias?! E antigas?!

Advertisements

9 thoughts on “.fantasmas

  1. Tudo é necessário…até mesmo coisas old! 🙂 …e como diz o tio kevin roberts…”não estou falando de nostalgia barata, mas da convicção inabalável de que o passado molda o presente!”

  2. Tolo de fato, é aquele que acredita que a solidão é uma condição triste, hoje em dia, depois de alguns tombos e sustos e na própria consciência da fragilidade da vida, acredito que a solidão é um momento rico de inspiração, concentração, sabedoria, é um momento em que deixa-se de dividir algo e passa-se a interiorizar questões que nos cercam.
    A solidão me fez VER, a solidão me fez PENSAR, me fez desejar mudanças às quais não pude observar com o movimento e preenchimento da vida cotidiana, cheia de pessoas e preocupações.
    Estar solitário significa se permitir uma pausa, fechar para balanço, questionar atitudes e costumes. Aprendi que o silencio pode dizer muito mais e pode ensinar muito mais do que um discurso eloquente, quando tomamos a atitude de desligar o botão e parar a badalação, significa que isso não mais nos satisfaz e por isso nada melhor do que o silencio e a solidão para nos forçar a observar quais as mudanças PRECISAM ser feitas.
    O importante é aproveitar o momento de solidão e reflexão para fortalecer a alma e buscar planos que possam se mesclar ao do outro e que possam ser compartilhados e de qual forma deverão ser feitos.
    Afinal, devemos encontrar pessoas que façam planos conosco e não que aceitem ou exijam viver os planos já feitos anteriormente. Então por que não repensá-los? Por que não utilizar uma solidão que se apresenta para enriquecer a alma? Por que não largar uma noite de balada por uma deliciosa leitura? Por que fazer o que nos é imposto e não o que é importante para nossa alma?

  3. Não o definiria como um tolo… mas um grande ser humano. Conheço uma pessoa que caiu no “golpe do bilhete premiado”, por solidariedade e excesso de humanismo e não por ganância. E vejo que algo muito semelhante acontece com você. Mas se for pra pecar, que seja por excesso de tentativas! Em relação as pessoas, descobri depois de muitas conversas, o melhor remédio é a experiência… e até lá muitos tropeços e tombos ainda vamos tomar. Não tenho medo dos fantasmas, o passado não me atormenta, me fortalece… O problema é quando eles se materializam no presente. Mas te entendo, sofro do mesmo mal =D

    “Pessoas gostam de falar sobre pessoas.” E só assim podemos aprender a viver, o aprendizado do homem está associado a sua capacidade de sociabilidade e comunicação. A capacidade de evolução está relacionada a linguagem e a troca de informação. Se o homem x não transmitisse a geração seguinte dos homens y, como o fogo podia ser produzido, todos teriam que passar pelo mesmo martírio, ou seja, a evolução é refém da transmissão de conhecimento e experiências…

    A vida pessoal não é óbvia, porque nos relacionamentos existem dois seres humanos, não é como no consumo (homem e mercadoria), trabalho (homem e mão-de-obra), no conhecimento (homem e teoria)… Nesse caso, tudo se torna mais complexo, hehe

    “Afinal, sonhos solitários são melancólicos, porque a alma deseja compartilhar o que lhe faz arder o coração de vontade de realizar.” E que delícia! Puta merda, por mais que doa, por mais que soframos, o homem é o único ser que desenvolveu – porque isso não é instintivo é cultural e social – a capacidade de amar! Isso faz parte da evolução, se fosse tão ruim assim o amor se atrofiaria… Mas não, independente das más experiência ele só se fortalece =D

    Adorei o texto… Mas não mais do que adoro você \o/

  4. Ausência (Carlos Drummond de Andrade)

    Por muito tempo achei que a ausência é falta.
    E lastimava, ignorante, a falta.
    Hoje não a lastimo.
    Não há falta na ausência.
    A ausência é um estar em mim.
    E sinto-a, branca, tão pegada, aconchegada nos meus braços,
    que rio e danço e invento exclamações alegres,
    porque a ausência, essa ausência assimilada,
    ninguém a rouba mais de mim.

  5. “Creio porque é absurdo”.. velha frase filosófica…
    acho q se aplica a td.. a própria ciencia no fundo se revela ridicula por nao dar conta de algo tao simples, e ainda assim tao enigmatico, como o amor… o querer estar com o outro.. essa pulsao q nos impele…
    O fato é q há mais buraco no saber doq oq nossa pequena lanterninha da razao e percepçao podem revelar…
    Se sente um tolo por ver isso? TOlo serias se não sentisse isso!

  6. Acho que a resposta para sua pergunta é Zona de Conforto, guadamos coisas desnecessárias porque muitas vezes são apenas esse entulho que conseguimos governar.
    Não somos criados pra conhecer as coisas do mundo plenamente, pra ter vontade de “mochilar” o mundo inteiro, de desafiar as coisas, pra não ir pra escola etc. Nascemos cuzões e o que tá a nossa volta muitas vezes tbm não ajuda!!! Mas se um dia olharmos pra dentro – juro que não é auto-ajuda – e olharmos com detalhe nas nossas vontades, se focalizarmos naquilo que nos dá tesão criamos coragem pra se desfazer dessas tranqueiras e a mochila fica mais leve permitindo viajar muito maaaaiiiis

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s