.desengano


Quando se tem mais do que se precisa. Às vezes temos de perder para saber o quanto valia. Fica difícil avaliar o valor das coisas, ou o que se sentia.

Quem sabe não possamos lapidar corretamente o nosso senso de realidade? Suponho que o primeiro passo seja colocarmos sob fortes refletores os assuntos que teimamos em suscitar. Sinto o gosto amargo do desespero que brota, quando tento ler no rosto, as feições da alma. Atordoemos a mente racional!

Eu, você e o desconhecido. Nada é definitivo? Tão estranhos e tão íntimos. Não há como mudar o insubstituível, ele levou muito tempo para chegar a isso. Senti uma transformação visceral, acompanhada de catarse, segundo as escolhas mais profundas que eu poderia fazer. Reflexões estas que me fazem respirar fundo, apaziguado; sensação indizível. Não intentei dissimular minhas intenções, apenas corrigi.

Refrigera-me os pensamentos ter em mente, como é bom degustar pacientemente cada uma das coisas que eu tenho no presente. Ninguém consegue viver a mesma história pra sempre, portanto, quando tiver alguma dúvida do sentido da vida, é pra frente! Continue reading “.desengano”

.argumentação


“Estamos acostumados com o comum, portanto, tudo aquilo que destoa, ainda que levemente do convencional, pode soar como irracional. E, por vezes, acreditamos nisso.”

Toda a argumentação tem por base uma mediação, afinal, não há como definirmos ou distinguirmos imparcialmente o certo do errado. Crescemos em volto a regras, normas de conduta, princípios morais, alguns imutáveis, outros meramente questionáveis. Não gosto disso.

O fato é que ao contrário da negociação, a argumentação quando devidamente moldada, soa razoável, e o que a fará convincente, além de um belo e dissimulado discurso eloqüente, dependerá, única e exclusivamente, do que se tem em mente. Nem todas as conclusões são precipitadas. Adoro isso.

Você não? Na verdade, você pode discordar completamente, ter um ponto de vista peculiar, singular, mas se a forma utilizada para expressar a idéia for educadamente apresentada, até o mais cético, provavelmente aceitaria isso.

.devaneio


Erguem-se diariamente em nossas vidas contextos únicos e singulares a que não damos o devido valor…

Estamos condicionados a nos mover de forma segura, prudência desmedida… Que nada arrisca! Perdoe-me pelos inconvenientes decorrentes de uma mente fria. Ao som de Bach, inundado pelo breu; aparentemente sozinho; submerso na obscuridade de alguns pensamentos.

De repente a realidade volta, e eu constato que não tem volta. Se tudo isso é tão real quanto parece ser, qual é mesmo o começo da história? Cadê a intuição? Que indignação! Infelizmente alguns erros são irreparáveis, necessidades patológicas inexplicáveis. Perdi-me no meio do fogo inimigo! Senti um estranho desejo de beijar o céu. Continue reading “.devaneio”