.acaso [3]


Photography by Jacques Philippe
Tudo começa com o talento para conversa.

Nos primeiros passos há uma religiosa paciência na escuta de todos os detalhes que compõem um corriqueiro dia a dia. Essa conversa deveria evidenciar algum sintoma ou algo que denunciasse a natureza de seu interesse. A julgar pelos olhares nós sabemos, no início, o nirvana oriundo daquele conjunto de reações químicas, desqualifica o nosso discernimento.

Photography By Fulvia Menghi

Descortina-se o charme e os níveis de atratividade alcançam graus elevados, a combinação perfeita para o ato. Atam-se novos laços através de percalços do intuito, intuitivamente ligados aquele ávido desejo de completar as lacunas do passado. Ludibriados pelos assuntos delicados criamos nós em nós mesmos. E é através das pequenas coisas que sentimos vertigens só de pensar! Suponho que não seja condescendente, encarar isso, como uma inconveniente anomalia desde que haja ao menos um vestígio de veracidade. Certas coisas são raras e insubstituíveis, bem como a torrente de fatos semelhante a uma corredeira, que pode tomar diversos afluentes, mas jamais mudar o seu fluxo natural. É incomensurável o benefício em reconhecer a beleza entre dois pontos de vista divergentes e tratá-los como aliados. Em escalas que variam: Eu sou hipócrita! Você é hipócrita! E se você discorda, é um sinal característico dos que não sabem por onde andar. Continue reading “.acaso [3]”