Etiquetas

, , , ,


Então, é o fim.

Após aquele período que configura a zona de perigo, no qual o final varia de felizes para sempre a espero que haja ao menos diplomacia daqui pra frente. Sim! Falo dos pouco mais de cinco ou seis anos de namoro.

Dos eventos familiares aos encontros casuais e descontraídos dos amigos, no término, todos fazem questão de soltar aquela típica, constrangedora e desnecessária frase – Nooooooossa! Mas vocês terminaram? Aaaaahhh! Formavam um casal tão bonito! – É, formavam. Evite o óbvio.

Apesar de trabalhar com programação, eu nunca fui muito fã de matemática, mas para chegar à conclusão da regra de três, é desnecessário conhecimentos profundos em álgebra, é uma questão mais de humanas do que exatas. A regra de três do relacionamento funciona da seguinte forma, após longos anos de namoro e aquela postura “em cima do muro”, um dos dois fica de saco cheio e resolve “viver a vida” no melhor estilo “vive la vida louca”, passamos por aquele processo inexorável no qual independente da sua vontade, há de se encarar de frente, noites e noites procurando o culpado e eis que você segue com a vida. Legal!

Então, você conhece uma nova pessoa [ o(a) segundo(a) ], afinal, todos sabem, “nada melhor do que um novo amor para esquecer um antigo”, balela! O autor desta citação morreu de desgosto e não satisfeito em sucumbir em frustração misturada com ódio, fez questão de levar outros com ele. Por quê? Bom, cada um precisa do seu tempo, não respeitá-lo significa infringir o curso natural e o resultado? Tenta-se encontrar em outra pessoa, as mesmas qualidades da anterior, damos novamente aquele passo intencional rumo à desordem amorosa.

Aí você pensa – Ok! Talvez até aqui eu concorde e, onde entra a tal regra de três?

Neste ponto, seu(sua) ex- [ o(a) primeiro(a) ] resolve te ligar, para conversar, não que ele(a) queira retomar, não! Não! Mas você, como uma pessoa madura e civilizada topa se encontrar pessoalmente. Não há nada demais em reencontrar alguém que você tenha passado boa parte da sua vida e compartilhado momentos importantes e inesquecíveis, acima de tudo, constituído vínculos duradouros e fortes. O problema é que, dependendo do tempo que tenham terminado, um ou outro sempre retomará aqueles assuntos inacabados e quando menos se espera. Putz! Vocês voltaram.

Para não magoar [ o(a) segundo(a) ] você diz, “estou confuso(a), preciso de um tempo para avaliar melhor o que eu quero”. Após alguns dias você termina com [o(a) segundo(a)]. Por quê? Ah! Porque não seria justo magoa-lo(a) e continuar a arrastá-lo(a) para uma trilha cujo fim trágico poderia ser evidentemente evitado. Porém, por melhor que seja a sua argumentação, este(a), na maioria das vezes revoltado(a), recusa-se a manter contato ou até mesmo entender a logica macabra que o(a) fez optar por voltar com alguém, que até pouco tempo dizia odiar. Peripécias do destino.

Como é bom o doce gosto da ilusão inevitável, não? Pena que o seu efeito é de curta duração, e, agora, você decidido(a) sabe que aquele papo do “eu posso mudar” não cola mais, e não há necessidade de passar novamente por aquele penoso e pesaroso julgamento e reavaliação de valores. Isso mesmo! Assistimos aqui, aquele termino “quase” indolor.

Agora sim! [O(a) primeiro(a)] não tem mais volta, assunto acabado! Finalizado!
Mas já dizia o poeta, “fundamental é mesmo o amor, é impossível ser feliz sozinho!”. E agora? Que tal tentar algo com [o(a) segundo(a)]? Não! Infelizmente ele(a) não compreenderia, aliás, ele(a) o(a) bloqueou em todos os meios de comunicação possíveis (infantil?!), talvez seja melhor assim. Pois bem, você conhece a terceira pessoa completamente imune a interferências e experiências ruins do passado. Atualmente, amadurecido, você resolve dar-se o direito de tentar investir em alguém do zero. Pronto, com uma probabilidade menor de fracasso em curto prazo.

Eis, o começo.

Anúncios