.palavras, caráter e expectativa


Palavras

Palavras são apenas palavras, quiçá a forma como estejam dispostas remontem a elas um significado, e este, pode e deve ter diversas conotações de acordo com a sua vivência.

Elas podem começar ou terminar uma guerra, delinear as atribuições e obrigações entre um contratante e um contratado, ou simplesmente, devagar através de inúmeros parágrafos o que um singelo olhar, facilmente conseguiria.

.palavras

As palavras contam histórias…

Caráter

… E todos tem uma história. Um porque, um ponto de partida. O pontapé que dá início a magnifica ordem aleatória de fatores que podem ou não nos levar a algo glorioso. Indago a incógnita chave do que ainda não foi revelado. O que está nas entrelinhas. O que não nos foi dito. E qual é a maneira lógica, ou racional, de obter estas respostas?!.. Continue reading “.palavras, caráter e expectativa”

.óbvio


“Levei tanto tempo para enxergar o óbvio.”

Hoje, chegar não é o crucial, desde que durante a caminhada as pessoas certas estejam comigo. Não tenho o intuito enunciar frases feitas de cartões ou citar pseudo-ensinamentos de auto-ajuda. Só quero deixar registrado que por muito menos drama, seríamos todos mais felizes. Por quantas crises financeiras não passamos? Dificuldades de entendimento? Visões de mundo divergentes? Desavenças tão pequenas que senão fosse à limitação da memória tomariam maiores proporções? Continue reading “.óbvio”

.chuva


“Lembrei ao ouvir músicas, que deveria esquecer o que tudo aquilo significava.”

O conjunto de todos aqueles argumentos medíocres, que tentavam de forma vã e frustrada descrever o inexplicável, naquele momento caiu por terra.

Na porta de um bar fechado contemplávamos a chuva. Olhando para o céu versava possibilidades. O calor de seu peito aquecia minhas costas. Havia uma construção em volta. Os pingos ditavam o ritmo de nossos pensamentos. De forma atípica e desritmada, o tempo parava. Continue reading “.chuva”

.bússula


O que é certo? / O que é errado?

São diretrizes construídas há séculos, certo?
Errado seria crer que estejamos imunes a influências externas. Afinal, uma série de fatores propiciaria para tal ou tal coisa.
Que tal quebramos certos dogmas e paradigmas, adotarmos uma visão imparcial para que possamos chegar a um consenso, não do que é certo ou errado, mas do que seria benéfico para todos.

Ajustemos nossa bússula moral e quando o mestre de cerimônia abrir as cortinas, que a interpretação provoque aplausos e que as lágrimas sejam de emoção.

.grão


“Se colhemos o fruto de nossas atitudes, o bom seria selecionarmos cautelosamente a semente.”

Foram plantadas diversas sementes. A chuva as atingiu igualmente, na vertical e horizontal, mas o sol de maneira desigual. E não por falta de fé, mas porque nem todos os dias são iguais. O solo, agora fértil estava repleto de dramas particulares, vidas e vindas, vindas e vidas.

Nesse movimento continuo descortinou-se claros pensamentos, que se não fossem inspirados no desejo de desafiar o destino, soariam um tanto luxuriosos, obstinados e libertinos. Contraditório? Ou irrisório? Continue reading “.grão”

.o castelo da mentira


“Melhor do que tentar conhecer os outros, é olhar para si mesmo, desvendar-se e desnudar-se”

Tenho a mentira como se fosse um castelo. A confiança é um prédio frágil por dentro, mas extremamente robusto por fora, ironicamente contraditório, mas de simples compreensão. Leva-se anos para construir a confiança, cada pedrinha é meticulosamente colocada, resultado de um frio e ardiloso trabalho calculista, amador e natural. Quando devidamente consolidada, ela é “quase” indestrutível, não fosse por um deslize.

A mentira.

A mentira em si não é o que destrói a confiança, há proporções e proporções, mas o que ela acarreta.

A desconfiança.

Anos a fio e inúmeras situações, dispõem um catálogo não desprezível de recordações necessário para consolidar a confiança, mas apenas um pequeno e fagueiro escorregão para desabar o castelo.

A verdade é um metal muito nobre, mas pouco puro. E, claro! Isso envolve um emaranhado complexo de impulsos e estímulos bem diversificados.

.desengano


Quando se tem mais do que se precisa. Às vezes temos de perder para saber o quanto valia. Fica difícil avaliar o valor das coisas, ou o que se sentia.

Quem sabe não possamos lapidar corretamente o nosso senso de realidade? Suponho que o primeiro passo seja colocarmos sob fortes refletores os assuntos que teimamos em suscitar. Sinto o gosto amargo do desespero que brota, quando tento ler no rosto, as feições da alma. Atordoemos a mente racional!

Eu, você e o desconhecido. Nada é definitivo? Tão estranhos e tão íntimos. Não há como mudar o insubstituível, ele levou muito tempo para chegar a isso. Senti uma transformação visceral, acompanhada de catarse, segundo as escolhas mais profundas que eu poderia fazer. Reflexões estas que me fazem respirar fundo, apaziguado; sensação indizível. Não intentei dissimular minhas intenções, apenas corrigi.

Refrigera-me os pensamentos ter em mente, como é bom degustar pacientemente cada uma das coisas que eu tenho no presente. Ninguém consegue viver a mesma história pra sempre, portanto, quando tiver alguma dúvida do sentido da vida, é pra frente! Continue reading “.desengano”