.acaso [3]


Photography by Jacques Philippe
Tudo começa com o talento para conversa.

Nos primeiros passos há uma religiosa paciência na escuta de todos os detalhes que compõem um corriqueiro dia a dia. Essa conversa deveria evidenciar algum sintoma ou algo que denunciasse a natureza de seu interesse. A julgar pelos olhares nós sabemos, no início, o nirvana oriundo daquele conjunto de reações químicas, desqualifica o nosso discernimento.

Photography By Fulvia Menghi

Descortina-se o charme e os níveis de atratividade alcançam graus elevados, a combinação perfeita para o ato. Atam-se novos laços através de percalços do intuito, intuitivamente ligados aquele ávido desejo de completar as lacunas do passado. Ludibriados pelos assuntos delicados criamos nós em nós mesmos. E é através das pequenas coisas que sentimos vertigens só de pensar! Suponho que não seja condescendente, encarar isso, como uma inconveniente anomalia desde que haja ao menos um vestígio de veracidade. Certas coisas são raras e insubstituíveis, bem como a torrente de fatos semelhante a uma corredeira, que pode tomar diversos afluentes, mas jamais mudar o seu fluxo natural. É incomensurável o benefício em reconhecer a beleza entre dois pontos de vista divergentes e tratá-los como aliados. Em escalas que variam: Eu sou hipócrita! Você é hipócrita! E se você discorda, é um sinal característico dos que não sabem por onde andar. Continue reading “.acaso [3]”

.palavras, caráter e expectativa


Palavras

Palavras são apenas palavras, quiçá a forma como estejam dispostas remontem a elas um significado, e este, pode e deve ter diversas conotações de acordo com a sua vivência.

Elas podem começar ou terminar uma guerra, delinear as atribuições e obrigações entre um contratante e um contratado, ou simplesmente, devagar através de inúmeros parágrafos o que um singelo olhar, facilmente conseguiria.

.palavras

As palavras contam histórias…

Caráter

… E todos tem uma história. Um porque, um ponto de partida. O pontapé que dá início a magnifica ordem aleatória de fatores que podem ou não nos levar a algo glorioso. Indago a incógnita chave do que ainda não foi revelado. O que está nas entrelinhas. O que não nos foi dito. E qual é a maneira lógica, ou racional, de obter estas respostas?!.. Continue reading “.palavras, caráter e expectativa”

.devaneio


Erguem-se diariamente em nossas vidas contextos únicos e singulares a que não damos o devido valor…

Estamos condicionados a nos mover de forma segura, prudência desmedida… Que nada arrisca! Perdoe-me pelos inconvenientes decorrentes de uma mente fria. Ao som de Bach, inundado pelo breu; aparentemente sozinho; submerso na obscuridade de alguns pensamentos.

De repente a realidade volta, e eu constato que não tem volta. Se tudo isso é tão real quanto parece ser, qual é mesmo o começo da história? Cadê a intuição? Que indignação! Infelizmente alguns erros são irreparáveis, necessidades patológicas inexplicáveis. Perdi-me no meio do fogo inimigo! Senti um estranho desejo de beijar o céu. Continue reading “.devaneio”

.acaso [2]


Numa noite fria de sexta-feira, inclinei a cabeça, não importava se de tristeza ou alegria. Notei que a privação sorria, e me mostrava sinais de euforia.

Querer a presença através da ausência, faz de nós, tolos? Ou, contraditoriamente dispostos a alcançarmos nossos limites? Conhecermos um lado de alguém que não tenha nome é realmente o que importa?

Certos aspectos de nossa personalidade tendem a ficar adormecidos até que uma determinada situação exija de nós uma reavaliação de todos os nossos valores. A intenção por diversas vezes é que nos afastemos de idéias dramáticas. Então procuramos identificar “o ponto crucial”, como a perda, afinal, isto nós temos a vida inteira. Esse é o drama de estar vivo, você perde coisas o tempo todo. Mas finge que não! Ninguém gosta de perder. Continue reading “.acaso [2]”

.acaso


Em minha sincera opinião é inválido o argumento de que certas medidas não são dignas de plausibilidade na hora do término. Principalmente se levarmos em consideração que num relacionamento, sempre um há de gostar mais do que o outro, prova disso é que o amor por si, se enquadra em algo inexplicável. Do contrário, o amor seria como uma ciência exata, na qual uma fórmula miraculosamente bem estruturada seria capaz de explicá-lo, tal como “1+1 = felizes para sempre”, porém, é justamente um conjunto aleatório de fatores que o torna tão belo e místico.

Infelizmente nem todas as pessoas investem naquilo que o dinheiro não compra. E, bens materiais são facilmente restituídos…

É sábio adotar novas práticas em termos evolucionários, não? Desde que ninguém seja prejudicado? Caso no qual alguns infelizmente teimam em negligenciá-lo. Nessa hora, níveis de atratividade e conexão emocional são de pouca valia, figura-se então uma falsa impressão de lisonjeio e uma súbita vontade de sentir-se desejado(a). Por que para algumas pessoas é tão difícil fazer uma avaliação de conseqüências? De que adiantam soluções inaplicáveis? Continue reading “.acaso”