.bússula


O que é certo? / O que é errado?

São diretrizes construídas há séculos, certo?
Errado seria crer que estejamos imunes a influências externas. Afinal, uma série de fatores propiciaria para tal ou tal coisa.
Que tal quebramos certos dogmas e paradigmas, adotarmos uma visão imparcial para que possamos chegar a um consenso, não do que é certo ou errado, mas do que seria benéfico para todos.

Ajustemos nossa bússula moral e quando o mestre de cerimônia abrir as cortinas, que a interpretação provoque aplausos e que as lágrimas sejam de emoção.

.fantasmas


A cada dia, mais me convenço do quão tolo sou. Prendendo-me a velhos conceitos e preceitos. Seja por medo de perder ou pela ansiedade da vitória. Apenas quando nos damos conta de nossa mortalidade, voltamos atrás. Pessoas gostam de falar sobre pessoas. Por muito menos viveríamos todos em paz! Sem desilusões perturbadoras. Mas, aqueles velhos fantasmas sempre vêm nos importunar, de repente uma fisgada de dor, e, estamos condenados ao rancor.

Somos programados biologicamente para amar alguns, não todos. Você notou como é engraçado o fato de passarmos a vida inteira traçando metas e objetivos?! Estes, podem ser benéficos na vida profissional, mas não funcionam na vida pessoal. Algumas coisas são feitas porque precisamos fazê-las, não é? Continue reading “.fantasmas”

.acaso [2]


Numa noite fria de sexta-feira, inclinei a cabeça, não importava se de tristeza ou alegria. Notei que a privação sorria, e me mostrava sinais de euforia.

Querer a presença através da ausência, faz de nós, tolos? Ou, contraditoriamente dispostos a alcançarmos nossos limites? Conhecermos um lado de alguém que não tenha nome é realmente o que importa?

Certos aspectos de nossa personalidade tendem a ficar adormecidos até que uma determinada situação exija de nós uma reavaliação de todos os nossos valores. A intenção por diversas vezes é que nos afastemos de idéias dramáticas. Então procuramos identificar “o ponto crucial”, como a perda, afinal, isto nós temos a vida inteira. Esse é o drama de estar vivo, você perde coisas o tempo todo. Mas finge que não! Ninguém gosta de perder. Continue reading “.acaso [2]”