.aparências


Terminada a página. Fechado o livro. Convicto de que algo havia modificado abruptamente, arraigados e antigos conceitos, me dei conta de que chegara ao destino. Levantei apressado, desajeitado, minutos antes de a porta cerrar atrás de mim.

Enquanto subia as escadas – convencionais, pois encaro cada passo como o compasso, e as rolantes são uma interrupção inesperada numa melodia quase perfeita – contemplei a dança encenada pelas sombras projetadas das pessoas no teto, em consonância com a batida da música que ditava o ritmo dos meus passos. Era uma peça musical, cuja trilha sonora, apenas eu conseguia ouvir em meio ao caos.

Há largos passos, passos vagos, acompanhados e solitários, todos com seus destinos cruzados, incongruentes, porém conectados. Enquanto sombra, parecidos, agora, elevados, estranhos uns aos outros. Tentando descobrir uma explicação plausível para o desconforto de alguns, conclui que talvez seja justamente essa capacidade estabelecida pela luz, que nos de a falsa sensação de que sejamos diferentes. Ninguém vê além de escolhas que não compreende.

São tantas cores, ideias, verdades, interações… Tudo isto atrelado ao que você tem a dizer. Existem inúmeras histórias, de diversos pontos de vista, que podem ser contadas por incontáveis maneiras, cada uma com um significado único. Assim, revelam-se os seres e estabelecemos a nossa identidade.

Nem melhor nem pior, falo da condição de como você se sente a respeito da forma como enxerga as pessoas, livre para reavaliar o que acredita ser o seu âmago inviolável. Sabe, notei que quando se é diferente dos outros, você acaba ficando sozinho. Não por uma escolha pessoal, mas pelo simples fato de que são poucos os inimigos da convenção, habilidosos na arte do desvio de pensamento, sutilmente evidenciado e sentenciado pelo tom de seus olhares.

Nossa desmedida percepção de tempo é a mesma, o que difere um destino do outro, são as escolhas que adotamos. Independente do caminho que trilhamos, o desfecho será o mesmo, e há quem duvide! É claro que isso arruína completamente o argumento daqueles que depositam na sua fé inabalável o motivo que sustente o seu desprezo. Eis a linha de pensamento que torna impossível conduzir uma convivência pacifica entre seres distintos.

Sempre há uma forma de desencorajar uma pessoa arguta, o favorito, é a combinação de pensamentos confusos e dissuadíeis. Trata-se de uma estratégia simples, ela visa minar toda e qualquer probabilidade de retaliação, pois tem por base erradicar da mente alvo, a sua capacidade racional de avaliar o que está a sua volta. Sobreviver é um ato de fé.

Às vezes vivemos sem nos preocupar, sem levar em conta as consequências da juventude. E noutras esquecemos, que a raiz da solução de muitos dos nossos problemas, encontra-se naqueles que representam o futuro. Todos os esforços devem ser voltados a eles, e a base da mudança, resume-se em uma palavra, educação.

.acaso [3]


Photography by Jacques Philippe
Tudo começa com o talento para conversa.

Nos primeiros passos há uma religiosa paciência na escuta de todos os detalhes que compõem um corriqueiro dia a dia. Essa conversa deveria evidenciar algum sintoma ou algo que denunciasse a natureza de seu interesse. A julgar pelos olhares nós sabemos, no início, o nirvana oriundo daquele conjunto de reações químicas, desqualifica o nosso discernimento.

Photography By Fulvia Menghi

Descortina-se o charme e os níveis de atratividade alcançam graus elevados, a combinação perfeita para o ato. Atam-se novos laços através de percalços do intuito, intuitivamente ligados aquele ávido desejo de completar as lacunas do passado. Ludibriados pelos assuntos delicados criamos nós em nós mesmos. E é através das pequenas coisas que sentimos vertigens só de pensar! Suponho que não seja condescendente, encarar isso, como uma inconveniente anomalia desde que haja ao menos um vestígio de veracidade. Certas coisas são raras e insubstituíveis, bem como a torrente de fatos semelhante a uma corredeira, que pode tomar diversos afluentes, mas jamais mudar o seu fluxo natural. É incomensurável o benefício em reconhecer a beleza entre dois pontos de vista divergentes e tratá-los como aliados. Em escalas que variam: Eu sou hipócrita! Você é hipócrita! E se você discorda, é um sinal característico dos que não sabem por onde andar. Continue reading “.acaso [3]”

.palavras, caráter e expectativa


Palavras

Palavras são apenas palavras, quiçá a forma como estejam dispostas remontem a elas um significado, e este, pode e deve ter diversas conotações de acordo com a sua vivência.

Elas podem começar ou terminar uma guerra, delinear as atribuições e obrigações entre um contratante e um contratado, ou simplesmente, devagar através de inúmeros parágrafos o que um singelo olhar, facilmente conseguiria.

.palavras

As palavras contam histórias…

Caráter

… E todos tem uma história. Um porque, um ponto de partida. O pontapé que dá início a magnifica ordem aleatória de fatores que podem ou não nos levar a algo glorioso. Indago a incógnita chave do que ainda não foi revelado. O que está nas entrelinhas. O que não nos foi dito. E qual é a maneira lógica, ou racional, de obter estas respostas?!.. Continue reading “.palavras, caráter e expectativa”

.óbvio


“Levei tanto tempo para enxergar o óbvio.”

Hoje, chegar não é o crucial, desde que durante a caminhada as pessoas certas estejam comigo. Não tenho o intuito enunciar frases feitas de cartões ou citar pseudo-ensinamentos de auto-ajuda. Só quero deixar registrado que por muito menos drama, seríamos todos mais felizes. Por quantas crises financeiras não passamos? Dificuldades de entendimento? Visões de mundo divergentes? Desavenças tão pequenas que senão fosse à limitação da memória tomariam maiores proporções? Continue reading “.óbvio”

.bússula


O que é certo? / O que é errado?

São diretrizes construídas há séculos, certo?
Errado seria crer que estejamos imunes a influências externas. Afinal, uma série de fatores propiciaria para tal ou tal coisa.
Que tal quebramos certos dogmas e paradigmas, adotarmos uma visão imparcial para que possamos chegar a um consenso, não do que é certo ou errado, mas do que seria benéfico para todos.

Ajustemos nossa bússula moral e quando o mestre de cerimônia abrir as cortinas, que a interpretação provoque aplausos e que as lágrimas sejam de emoção.

.grão


“Se colhemos o fruto de nossas atitudes, o bom seria selecionarmos cautelosamente a semente.”

Foram plantadas diversas sementes. A chuva as atingiu igualmente, na vertical e horizontal, mas o sol de maneira desigual. E não por falta de fé, mas porque nem todos os dias são iguais. O solo, agora fértil estava repleto de dramas particulares, vidas e vindas, vindas e vidas.

Nesse movimento continuo descortinou-se claros pensamentos, que se não fossem inspirados no desejo de desafiar o destino, soariam um tanto luxuriosos, obstinados e libertinos. Contraditório? Ou irrisório? Continue reading “.grão”

.o castelo da mentira


“Melhor do que tentar conhecer os outros, é olhar para si mesmo, desvendar-se e desnudar-se”

Tenho a mentira como se fosse um castelo. A confiança é um prédio frágil por dentro, mas extremamente robusto por fora, ironicamente contraditório, mas de simples compreensão. Leva-se anos para construir a confiança, cada pedrinha é meticulosamente colocada, resultado de um frio e ardiloso trabalho calculista, amador e natural. Quando devidamente consolidada, ela é “quase” indestrutível, não fosse por um deslize.

A mentira.

A mentira em si não é o que destrói a confiança, há proporções e proporções, mas o que ela acarreta.

A desconfiança.

Anos a fio e inúmeras situações, dispõem um catálogo não desprezível de recordações necessário para consolidar a confiança, mas apenas um pequeno e fagueiro escorregão para desabar o castelo.

A verdade é um metal muito nobre, mas pouco puro. E, claro! Isso envolve um emaranhado complexo de impulsos e estímulos bem diversificados.